S O S


A existência é comparável ao firmamento que nem sempre surge anilado.


Dias sobrevêm nos quais as nuvens da prova se entrechocam de improviso, estabelecendo o aguaceiro das lágrimas.


Raios de angústia varrem o céu da esperança, granizos de sofrimento apedrejam os sonhos, rajadas de calúnia açoitam a alma, enxurrada carreando maledicência invade o caminho anunciando subversão.


Multiplicam-se os problemas, traçando os testes do destino em que nos verificará o aproveitamento dos valores que o mundo nos oferece.


Entretanto, a facilitação de cada problema solicita três atitudes essencialmente distintas, tendendo ao mesmo fim.


Silêncio diante do caos.


Oração à frente do desafio.


Serviço perante o mal.


Se a discórdia ameaça, façamos silêncio.


Se a tentação aparece, entenebrecendo a estrada, recorramos à oração.


Se a ofensa nos injuria, refugiemo-nos no serviço.


Toda perturbação pode ser limitada pelo silêncio até que se lhe extinga o núcleo de sombra.


Toda impropriedade mental desaparece se lhe antepomos a luz da oração.


Todo desequilíbrio engenhado pelas forças das trevas é suscetível de se regenerar pela energia benéfica do serviço.


O trânsito da vida possui também sinalização peculiar.


Silêncio - previne contra o perigo.


Oração - prepara a passagem livre.


Serviço - garante a marcha correta.


Em qualquer obstáculo, valer-se desse trio de paz, discernimento e realização, é assegurar a própria felicidade.


S O S é hoje o sinal de todas as nações para configurar as súplicas de socorro e, na esfera de todas as criaturas, existe outro S O S, irmanando Silêncio, Oração e Serviço, como sendo a síntese de todas as respostas.


Autor: André Luiz (Espírito)

Médium: Francisco Cândido Xavier

Livro: Senda para Deus. Lição nº 03. Página 19

0 visualização

Entre em contato conosco caso sua dúvida não tenha sido contemplada entre os itens apresentados aqui.

©2018 por Pensar Espírita.