Natal do Senhor

Mestre Amado e Generoso,

Nas bênçãos de Teu Natal,

Também nós te recordamos

No campo espiritual.


E lembramos comovidos,

A noite ditosa e bela,

Em que surgiste, exaltando

A manjedoura singela.


Divino Pastor, nascias,

Na solidão da pobreza,

Santificando a humildade

Nas luzes da natureza.


E trabalhaste e sofreste

Para as vitórias da luz,

Desde a esperança do berço

Às ironias da cruz.


E embora os Teus sacrifícios

Na lágrima, no suor,

A Terra, Jesus, se veste

De angústia, miséria e dor.


Volta a nós, Pastor Sublime,

Que o edil da humanidade,

Se estende aos abismos negros

De ignorância e maldade.


As tuas ovelhas frágeis

Cansadas de sombra e guerra,

Atropelam-se assustadas,

Ao longo de toda Terra!


As seitas religiosas,

Que ensinam a divisão,

Fomentam carnificinas,

Envenenando a razão.


A ciência que extermina

Faz do mundo seu vassalo,

Enquanto a filosofia

Prega o bem sem praticá-lo.


Ó Senhor, dá-nos, de novo,

Fidelidade ao dever,

No dom da simplicidade,

No impulso de agradecer.


Que em Teu Natal, nós possamos

Recordar com mais fervor,

Teus exemplos de renúncia

E  as Tuas lições de amor.


Concede-nos, Mestre Amigo,

Nas lutas de redenção,

Nova fé, nova esperança

Ao templo do coração.


Autor: Casimiro Cunha (Espírito)

Médium: Francisco Cândido Xavier.

Livro: Preito de Amor. Lição nº 01. Página 12.

3 visualizações

Posts recentes

Ver tudo

Crônica do Natal

Desde a ascensão de Herodes, o Grande, que se fizera rei com o apoio dos romanos, não se falava na Palestina senão no Salvador que viria enfim... Mais forte que Moisés, mais sábio que Salomão, mais su

Entre em contato conosco caso sua dúvida não tenha sido contemplada entre os itens apresentados aqui.

©2018 por Pensar Espírita.