Natal do Senhor

Mestre Amado e Generoso,

Nas bênçãos de Teu Natal,

Também nós te recordamos

No campo espiritual.


E lembramos comovidos,

A noite ditosa e bela,

Em que surgiste, exaltando

A manjedoura singela.


Divino Pastor, nascias,

Na solidão da pobreza,

Santificando a humildade

Nas luzes da natureza.


E trabalhaste e sofreste

Para as vitórias da luz,

Desde a esperança do berço

Às ironias da cruz.


E embora os Teus sacrifícios

Na lágrima, no suor,

A Terra, Jesus, se veste

De angústia, miséria e dor.


Volta a nós, Pastor Sublime,

Que o edil da humanidade,

Se estende aos abismos negros

De ignorância e maldade.


As tuas ovelhas frágeis

Cansadas de sombra e guerra,

Atropelam-se assustadas,

Ao longo de toda Terra!


As seitas religiosas,

Que ensinam a divisão,

Fomentam carnificinas,

Envenenando a razão.


A ciência que extermina

Faz do mundo seu vassalo,

Enquanto a filosofia

Prega o bem sem praticá-lo.


Ó Senhor, dá-nos, de novo,

Fidelidade ao dever,

No dom da simplicidade,

No impulso de agradecer.


Que em Teu Natal, nós possamos

Recordar com mais fervor,

Teus exemplos de renúncia

E  as Tuas lições de amor.


Concede-nos, Mestre Amigo,

Nas lutas de redenção,

Nova fé, nova esperança

Ao templo do coração.


Autor: Casimiro Cunha (Espírito)

Médium: Francisco Cândido Xavier.

Livro: Preito de Amor. Lição nº 01. Página 12.

0 visualização

Posts recentes

Ver tudo

Crônica do Natal

Desde a ascensão de Herodes, o Grande, que se fizera rei com o apoio dos romanos, não se falava na Palestina senão no Salvador que viria enfim... Mais forte que Moisés, mais sábio que Salomão, mais su

Natal

“Glória a Deus nas Alturas, paz na Terra e boa vontade para com os homens.” - Lucas, 2:14. As legiões angélicas, junto à Manjedoura, anunciando o Grande Renovador, não apresentaram qualquer ação de re

Entre em contato conosco caso sua dúvida não tenha sido contemplada entre os itens apresentados aqui.

©2018 por Pensar Espírita.