Liberdade e Evangelho

Atualizado: Mar 1

Em nome da hegemonia política, Esparta esmagou Atenas, em guerras sangrentas, depois de vencer Tebas, Mantinéia, Megalópolis, senhoreando-se das demais ilhas gregas, plantando seus marcos de triunfo nas terras conquistadas. Enquanto toda a Hélade chora a dor dos filhos, Esparta canta um hino de triunfo e liberdade nas ruas engalanadas.


Em regozijo à sua eleição como povo escolhido, Israel trucida os filisteus e todos os povos nômades de sua fronteira, em lutas lamentáveis e demoradas e, clamando por liberdade, insurge-se posteriormente contra o romano dominador que lhe arrebata o cetro.


E em todos os tempos, enquanto os dominadores exaltam a liberdade, os dominados clamam por ela.


Testemunhando seu amor a Jesus, Pedro, o Eremita, inicia a pregação das Cruzadas, na Europa, para libertar o túmulo vazio do Mestre, na Ásia, desencadeando a série de guerras desnecessárias que enlutaram tantas nações.


Foi igualmente em nome da liberdade que a França desencadeou a terrível hecatombe que ensanguentou a Europa no último quartel do século XVIII.


E até hoje o panorama continua o mesmo. A prepotência estabeleceu as diretrizes da dominação e, em nome dos direitos humanos, a força sobrepõe-se à fraqueza, na posição de protetora e - como não dizer? - também de algoz.


No Evangelho de Jesus, anunciado há vinte séculos, a liberdade atinge seu mais nobre lugar. Através da revolução pacífica da moral e dos costumes, o Cristo é o protótipo do homem livre.


Diante de Pilatos, escarnecido e humilhado, permanece digno e nobre. Atado ao poste do suplício, alça-se a Deus e comunga com Ele.


Pregado à cruz entre apupos e zombarias, mantém o padrão elevado da liberdade, perdoando aos próprios algozes.


Assassinado, volta do túmulo em esplendorosa manhã, caminhando livremente ao lado dos companheiros atônitos e receosos.


O Evangelho é a grande lição de liberdade que o mundo conhece.


Durante dezesseis séculos fez-se dele peia e açoite, sem se conseguir destruí-lo, entretanto.


A História fala-nos de santos e mártires que experimentaram punições cruéis e atrozes suplícios, vivendo na liberdade gloriosa da fé cristã, embora presos e martirizados até a morte. É que o Mestre expressara, na sua eloquência sábia, que liberdade é condição de alma isenta de paixões. 


Por isso, alentou os discípulos, indagando: "Que medo podem fazer aqueles que matam apenas o corpo e nada podem fazer à alma?"


Liberdade não é, portanto, estado de movimentação para o corpo, mas condição de alma no corpo.


***


Acreditava-se, antes, que o Evangelho era uma cadeia a jungir o crente ao carro do dever, proibindo-o tudo, tudo condenando. Graças, porém, à Revelação Espírita, o Evangelho passa a ser encarado na sua legítima situação de dínamo poderoso, capaz de transformar homens tíbios em gigantes, dando energia para a vitória sobre todos os males. Porque o Evangelho é mensagem de luz e esclarecimento, e o homem, beneficiado pelo conhecimento evangélico, opera o auto-descobrimento que o felicita e liberta.


Evangelho - caminho da liberdade rumo à perfeição.


Liberdade - mensagem do Evangelho trazida por Jesus ao presídio humano.


Autor: Vianna de Carvalho (Espírito)

Médium: Divaldo P. Franco

Livro: À Luz do Espiritismo

Entre em contato conosco caso sua dúvida não tenha sido contemplada entre os itens apresentados aqui.

©2018 por Pensar Espírita.