Desespero


Provocações e problemas, habitualmente, são testes de resistência, necessários à evolução e aprimoramento da própria vida.


A paciência é a escora íntima que auxilia a criatura a atravessá-los com o proveito devido.


O desespero, entretanto, é a sobretaxa de sofrimento que a pessoa impõe a si mesma, complicando todos os processos de apoio que conduziriam à tranquilidade e ao refazimento.


O desespero é comparável a certo tipo de alucinação, estabelecendo as maiores dificuldades para aqueles que o hospedam na própria alma.


Em conflitos domésticos, inspira as vítimas dela a pronunciar frases inoportunas, muitas vezes separando os entes amados, ao invés de uni-los.


Nos eventos sociais que demandam prudência e serenidade, suscita a requisição de medidas que prejudicariam a vida comunitária se fossem postas em prática no imediatismo com que são exigidas.


Nas reivindicações justas, costuma antecipar declarações e provocar acontecimentos que lhes caberiam atingir.


Nas moléstias do corpo físico, por vezes encoraja o desrespeito pela dosagem dos medicamentos, no doente que precisa da disciplina, em favor da própria cura.


Disse Jesus: “Bem aventurados os aflitos porque serão consolados", mas urge reconhecer que os aflitos inconformados, sempre acomodados com o desespero, acima de tudo, são enfermos que se candidatam a socorro e medicação.


Autor: Emmanuel (Espírito)

Médium: Francisco Cândido Xavier

Livro: Hoje. Lição nº 12. Página 61

Entre em contato conosco caso sua dúvida não tenha sido contemplada entre os itens apresentados aqui.

©2018 por Pensar Espírita.