Agentes contrários


Basta leve reflexão sobre os processos da natureza, para que se verifique o valor dos agentes contrários na formação de todos os recursos chamados a servir.


A semente e a terra que a sufoca.


A argila e o fogo.


O minério bruto e o forno de alta tensão.


O martelo e a pedra.


O buril e a obra-prima.


A chama e a vela.


O metal e o cadinho.


O grão e o triturador.


O bisturi e a cirurgia.


Na experiência humana, por agora, são muito raras as pessoas que se empenham a reconhecer a importância dos agentes contrários na renovação e na melhoria de si mesmas.


Os companheiros que se fazem instrumentos de malícia ou de inveja, de escárnio e perseguição, constituem testes que nos inclinam à compreensão e ao amor, ao olvido de todo mal e à aquisição de mais luz.


Num plano de imperfeições, qual o nosso, todos somos lições de uns para os outros.


Aconselhou-nos Jesus: - “Amai aos vossos inimigos”.


Isso não quer dizer que eles, de imediato, se farão capazes de amar-nos; entretanto, mediante a nossa atitude construtiva, auxiliando a eles com serenidade e paciência, eles igualmente se reconhecerão beneficiados por nossos gestos de entendimento, desde que lhes saibamos aceitar os desafios sem azedume e agradecer-lhes o bem que nos façam, caminhando para diante no dever a cumprir.


Autora: Meimei (Espírito)

Médium: Francisco Cândido Xavier

Livro: Recados da Vida. Lição nº 21. Página 73

0 visualização

Entre em contato conosco caso sua dúvida não tenha sido contemplada entre os itens apresentados aqui.

©2018 por Pensar Espírita.