Abençoa sempre


Seja onde for, abençoa para que a benção dos outros te acompanhe.


Todas as criaturas e todas as coisas te respondem, segundo o toque de tuas palavras ou de tuas mãos.


Abençoa teu lar com a luz do amor, em forma de abnegação e trabalho, e o lar abençoar-te-á com gratidão e alegria.


Abençoa a árvore de tua casa com a dádiva de teu carinho e a árvore de tua casa abençoar-te-á  com o perfume da flor e com a riqueza do fruto.


Se amaldiçoas, porém, o companheiro de cada dia com o azorrague da censura, dele receberás a  mágoa e a desconfiança.


Se condenas o animal que te partilha o clima doméstico à fome e à flagelação, dele obterás rebeldia e aspereza.


Em verdade, não podes abençoar o mal, a exprimir-se na crueldade, mas deves abençoar-lhe as vítimas para que se refaçam, de modo a extingui-lo.


Não será justo abençoes a enfermidade que te aflige, mas é indispensável abençoes o teu órgão doente, para que com mais segurança se reajuste, expulsando a moléstia que, às vezes, te impõe amargura e desequilíbrio.


Não amaldiçoes nem mesmo por pensamento.


A ideia agressiva ou destruidora é corrosivo em nossa boca, sombra em nossos olhos, alucinação em nossos braços e infortúnio em nossa vida.


Abençoa a mão que te fere e a mão que te fere aprenderá como eximir-se da delinquência.


Abençoa o verbo que te insulta e evitarás a extensão do revide.


Abençoa a dificuldade e a dificuldade revelar-te-á preciosas lições.


Abençoa o sofrimento e o sofrimento regenerar-te-á.


Abençoa a pedra e a pedra servirá na construção.


Não olvides o Divino Mestre da Bênção.


Jesus abençoou a Manjedoura e dela fez o berço luminoso do Evangelho nascente; abençoou a Pedro, enfraquecido e vacilante, transformando-o em vigoroso pescador de almas; abençoou a Madalena obsidiada e nela plasmou o sinal da sublimação humana; abençoou Lázaro, cadaverizado, e devolveu-lhe a vida; e, por fim, abençoou a própria cruz, nela esculpindo a vitória da ressurreição imperecível.


Abençoa a Terra por onde passes, e a Terra abençoará a tua passagem para sempre.


Autora: Scheilla (Espírito)

Médium: Francisco Cândido Xavier.

Livro: Visão Nova. Lição nº 01. Página 11.

Entre em contato conosco caso sua dúvida não tenha sido contemplada entre os itens apresentados aqui.

©2018 por Pensar Espírita.