Árvores


E levantando ele os olhos, disse: “Vejo os homens, pois, os vejo como árvores que andam.” Marcos: 8.24.


O cego de Bethsaida, retomando os dons sagrados da vista, proferiu observações de grande interesse.


Sua comparação é das mais belas.


O reino das árvores apresenta silenciosas mensagens aos que saibam ouvi-lo.


Qual acontece, no caminho das criaturas, existem árvores de todos os feitios.


Vêem-se as que se cobrem apenas de ramos farfalhados à maneira dos homens palavrosos; as tortuosas, copiando os seres indecisos, ensaiando passos para o ingresso nas estradas retilíneas; as de tronco espinhoso, imitando os espíritos mais ásperos e ainda envenenados; as frutíferas que auxiliam carinhosamente as criaturas, não obstante os golpes e incompreensões recebidos, dando a ideia das almas santificadas, que servem ao bem e à verdade, no silencio divino.


Nessa flora, como os seres ignorantes e grosseiros que ainda não chegaram a ser homens espirituais, não obstante a sua forma física, existem igualmente as plantas invasoras e parasitárias que não chegaram a ser árvores, apesar da forma verde de suas folhas.


Quem não terá visto, alguma vez, a erva daninha, tentando sufocar a laranjeira, imitando as lutas da estrada humana?


Quem não terá observado a trepadeira fascinante, florindo na coroa de uma árvore centenária, dando a impressão de ser tão alta e de tronco tão robusto, quanto ela?


Que homem não terá reconhecido o ataque das plantas minúsculas que costumam esconder as estradas e invadir as propriedades ao abandono?


O plano dos vegetais oferece às criaturas lições de profundo valor.


Se já podes ver, como aquele cego feliz de Bethsaida, procura ser um elemento útil e digno, entre as árvores que andam.


Autor: Emmanuel (Espírito)

Médium: Francisco Cândido Xavier

Livro: Levantar e Seguir. Lição nº 14. Página 69

0 visualização

Entre em contato conosco caso sua dúvida não tenha sido contemplada entre os itens apresentados aqui.

©2018 por Pensar Espírita.