Desafiado pelo mundo, você, algumas vezes pensou em desistir.

Lutas intermináveis. Conflitos um atrás do outro.

Problemas insolúveis.

Inimigos que não ofertam trégua nem desejam diálogo.

Para que avançar?

Desistir de tudo e ofertar-se ao desânimo e à apatia, eis a solução!

Criado simples e ignorante, compete ao Espírito travar as lutas necessárias para progredir, pelo que, sem as refregas da evolução nunca chegará à condição da perfeição relativa a que está fadado.

Superada uma etapa, outra surge desafiadora e assim por diante.

Comprometido com o mal e assalariado pela ignorância, impõe a si mesmo a emancipação desses grilhões pelo esforço titânico da auto superação.

Com isso, sai da crisálida psíquica e gravita para a maturidade espiritual que dorme no íntimo profundo.

Toda vitória tem seu preço. Toda batalha deixa cicatrizes. Qualquer peleja impõe sacrifícios e transpiração.

Não se evolui por osmose.

Gravitando do ninhal da divindade como princípio espiritual até as expressões angélicas, irá trafegar pelos árduos caminhos da evolução, lapidando arestas e aperfeiçoando valores dormentes.

Atravessará rios caudalosos de dificuldades, oceanos de testes, lagos de aperfeiçoamento incessante e caminhará pelas terras áridas dos relacionamentos interpessoais.

Neles, ofertará e receberá. Atingirá e será atingido.

Amará e será odiado por isso.

Servirá, sem ser servido.

Perdoará aos ingratos.

Silenciará diante dos estúpidos e agressivos.

E com lágrimas e suores construirá a própria estrada, abandonando os baixios da inferioridade, ascendendo aos cimos da vida.

Alcançado um certo degrau, entenderá, agradecido, que a luta foi indispensável.

Bendirá as noites indormidas. Agradecerá os testemunhos ofertados. Entenderá as lutas e dores suportadas.

E com dilatada visão da vida, volverá ao mundo para despertar néscios e indiferentes, foragidos e recalcitrantes no mal, os apontando as glórias estelares.

Diante das provações, recorda-te de Jesus.

Assaltado pelo medo, segura na mão de Deus e caminha.

Acovardado ante o volume de desafios à sua frente, começa por dar solução aos mais simples e em breve estará enfrentando os mais difíceis.

Ora. E serás atendido.

Serve. E o ócio não te fará fardo na alma.

Perdoa. E caminharás leve pelas trilhas do mundo.

Espera. Tem soluções que competem a Deus.

Ante o novo dia, começa orando. Prossegue servindo e sorrindo, e ante o crepúsculo a se avizinhar, agradece mais um dia de oportunidades e possibilidades evolutivas.

Pela luta, estás a caminho de tua libertação.

O mundo é tua arena de sublimação. Teu corpo, teu uniforme de lutas.

As armas já estão contigo. Aprende a maneja-las e vencerás.

Paciência na dificuldade.

Resiliência nos desafios.

Amor diante do ódio.

Paz na guerra.

Solidariedade frente à indiferença.

Resignação no infortúnio.

Coragem nos embates existenciais.

Silêncio na gritaria.

Fé em si mesmo e em Deus.

Com isto, vencerás.

Autora: Marta (Espírito)

Médium: Marcel Cadidé Mariano

Centro Espírita Caminho da Redenção - Mansão do Caminho

Salvador, 18.05.2020

Temos diversas formas de auxiliar:


- suprimir a penúria;


- estender a beneficência;


- criar a generosidade;


- consolar o sofrimento.


Existe, porém, uma delas ao alcance de todos e que pode ser largamente exercida em qualquer lugar: O Donativo da

Calma nos momentos atribulados da vida.


Recorda os bens espirituais que consegues distribuir e não marginalizes semelhante recurso.


Diante de reclamações e críticas, usa a tolerância que estabeleça a harmonia possível entre acusados e acusadores;


Recebendo injúrias e ofensas, silencia e esquece os desequilíbrios de que por ventura te fizeste vítima, sustando calamidades da delinquência;


Perante a agressividade exagerada de alguém, guarda a serenidade que balsamize corações e pacifique ambientes;


Encontrando veículos de discórdia, emprega o entendimento que afaste choques e conflitos capazes de suscitar azedume e perturbação.


Em qualquer lance difícil da existência, dispões da possibilidade de atuar beneficamente com os recursos da bondade e da compreensão que entretecem a garantia da paz.


Lembra a faísca lançada impensadamente quando se transforma em fogo descontrolado e devorador.


Qualquer criatura, quando se mostre agindo sem noção de responsabilidade, pode gerar incêndios lamentáveis, destruindo os mais altos valores da vida.


Por isso mesmo, onde estivermos, sejamos nós os Bombeiros de Deus.

Autor: Emmanuel (Espírito)

Médium: Francisco Cândido Xavier

Livro: Caminhos de Volta. Lição nº 24.

Em quase todos os povos da Terra se verificou a existência da escravidão.

Seja ela do homem sobre outro homem, sobre a mulher, inimigos vencidos em batalhas, de alguma forma a civilização esteve destacada pela sujeição de um ser ao outro.

Valeu-se da escravidão para construção das grandes pirâmides no Egito, dos jardins da Babilônia, dos templos gregos e de Roma nos seus primórdios.

Esta persistiu até as últimas décadas do século XX, quando uma nação africana foi a última a abolir de sua constituição a prática escravagista.

O Brasil registra em sua história a prática hedionda por quase quatro séculos, ocorrendo especialmente contra a raça negra de origem afro descendente.

Pelourinhos e senzalas, troncos de martírios e capitães do mato são tristes páginas de nossa história, a retratar as lágrimas daqueles que foram arrancados de suas terras de origem e trazidos em imensos navios negreiros para o serviço pesado da lavoura comercial, a despontar em nossa nação, constituindo fase importante de seus ciclos econômicos.

Graças a esses braços vigorosos, a essas lágrimas salgadas e doridas este país se fez celeiro do mundo, arrancando a cada ano safras cada vez maiores.

Mas nada disso pode justificar a exploração do homem sobre outro homem, prática totalmente contrária à lei divina de liberdade, que garante que nenhum espírito pode ou deve ser sujeitado a força a outro ser.

A escravidão, sob qualquer ângulo que se observe, é ato desumano, arbitrário, violando a mencionada lei natural.

Evocando o 13 de maio de 1888, desejamos assinalar o canto triste dos que viram suas vidas arrancadas de seus lares da África querida.

Da saudade atroz que os venceu na travessia oceânica.

Da chibata que lhes arrancou lágrimas sucessivas no tronco doloroso dos gemidos intermináveis.

Reverenciar os que lutaram para emancipar dos grilhões da intolerância milhões de negros cativos do principal direito do ser humano, depois do direito à vida.

Bendizer o sopro de liberdade que paira hoje sobre todos, ainda tisnado por comportamentos desequilibrados, que insistem na dominação de uma raça sobre outra, atendendo seus caprichos e paixões.

E nos posicionamos ao lado dos que combatem pelo esclarecimento e pela educação a moderna escravidão.

Escravos dos vícios.

Cativos das paixões.

Prisioneiros do fanatismo.

Servos alienados da intolerância.

Vassalos inconscientes da violência e da agressividade.

Reféns do medo.

Todos eles são escravos por opção.

Proclamam liberdade, mas deixaram-se escravizar pela pusilanimidade emocional.

Comovida, bendizemos a lei áurea que alforriou milhares de cativos, findando senzalas e inaugurando dia novo na história, evocando o ser mais puro e libertário da história humana.

Jesus Cristo.

Ele veio nos ensinar como romper algemas e correntes íntimas, libertando o espírito do jugo da matéria, senhora de engenho de bilhões de seres, até hoje escravos da visão estreita da vida.

Banido do mundo num madeiro infame, subiu para o Pai de braços abertos, evidenciando Sua plena liberdade espiritual, sujeitando-se tão somente às leis divinas, que veio cumprir com uma conduta reta e um pensamento isento de mácula.

Anotando em ti qualquer sujeição a algo contrário à lei de evolução, tem coragem suficiente de igualmente te alforriar do teu senhor de engenho.

Se desconheces quem seja teu escravista mor, toma de um espelho e descobrirás rapidamente.

Nada podes fazer em relação ao teu ontem, mas podes desde hoje fazer novo futuro.

Rompido os grilhões, avança para teu desiderato.

Ser cativo apenas do amor de Deus e da ética de Jesus.

Autora: Marta (Espírito)

Médium: Marcel Cadidé Mariano

Fonte: Centro Espírita Caminho da Redenção/Mansão do Caminho

Salvador, 13.05.2020

117 visualizações

Entre em contato conosco caso sua dúvida não tenha sido contemplada entre os itens apresentados aqui.

©2018 por Pensar Espírita.