Senhor de Infinita Bondade.


No santuário da oração, marco renovador do meu caminho, não Te peço por mim, Espírito endividado, para quem reservaste os tribunais de Tua Excelsa Justiça.

A Tua compaixão é como se fora o orvalho da esperança em minha noite moral, e isto basta, ao revel pecador que tenho sido.


Não Te peço, Senhor, pelos que choram.

Clamo por Teu amor e benefício dos que fazem as lágrimas.


Não Te venho pedir pelos que padecem.

Suplico-Te a bênção para todos aqueles que provocam sofrimento.


Não Te lembro os fracos da Terra.

Recordo-Te quantos se julgam poderosos e vencedores.


Não intercedo pelos que soluçam de fome.

Rogo-Te amor para os que lhes furtam o pão.


Senhor Todo-Bondoso!...


Não Te trago os que sangram de angústia.

Relaciono diante de Ti os que golpeiam e ferem.


Não Te peço pelos que sofrem injustiças.

Rogo-Te pelos empreiteiros do crime.


Não Te apresento os desprotegidos da sorte.

Sugiro Teu amparo aos que estendem a aflição e a miséria.


Não Te imploro mercê para as almas traídas.

Exorto-Te o socorro para os que tecem os fios envenenados da ingratidão.


Pai compassivo!...


Estende as mãos sobre os que vagueiam nas trevas...

Anula o pensamento insensato.

Cerra os lábios que induzem à tentação.

Paralisa os braços que apedrejam.

Detém os passos daqueles que distribuem a morte...


Ajuda-nos a todos nós, filhos do erro, porque somente assim, ó Deus piedoso e justo, poderemos edificar o paraíso do bem com todos aqueles que já Te compreendem e obedecem, extinguindo o inferno daqueles que, como nós, se atiram desprevenidos, aos insanos torvelinhos do mal!...”


Autor: Cerinto (Pseudônimo) (Espírito)

Médium: Francisco C. Xavier

Livro: À Luz da Oração

Entre em contato conosco caso sua dúvida não tenha sido contemplada entre os itens apresentados aqui.

©2018 por Pensar Espírita.