P — Desejará você contar-nos alguma coisa de sua experiência, ao contato de Emmanuel, a respeito da atitude que devemos assumir perante as nossas próprias doenças?

R — Ele, tanto quanto outros amigos espirituais, nos ensinam que devemos receber as provações orgânicas com muita serenidade. Aliás, nesse sentido dentro da própria Igreja Católica, que todos consideramos como sendo a autoridade maternal em nossa civilização, dispomos do exemplo dos santos que nos auxiliam a considerar a moléstia como agente de purificação da alma.

Se aceitamos compulsoriamente a enfermidade como sendo uma prova que não merecemos; se nos desesperamos; se nos entregamos à impaciência, criamos uma espécie de taxa de aflição improdutiva sobre a inquietação que a doença nos traga.

A moléstia, sem paciência de nossa parte, se torna muito mais grave e, às vezes, muito mais intolerável, de vez que passamos a complicar e a obscurecer o ambiente assistencial em que nos encontremos, junto da família ou fora dela.

Com isso criamos, também, muita dificuldade para os médicos, convidados a auxiliar-nos, porquanto em qualquer quadro de desesperação, estabelecemos tempestades magnéticas no campo pessoal da nossa própria apresentação agindo em prejuízo de nós mesmos.

Quando vier a dor de cabeça, seja ela acompanhada de outra qualquer dor, considerando-se a dor de cabeça por dissabores quaisquer, peçamos a Deus coragem para suportá-la e, para isso, temos a oração que nos ajuda a restabelecer o próprio equilíbrio.

Entrevistado: Francisco Cândido Xavier

Livro – Entrevistas (Cap. 6 - Perguntas e Respostas, pergunta 64)

Nestes dias agitados a angústia caminha com o homem, disfarçada de medo, de ansiedade, de sentimento de culpa.


Naturalmente, as pressões a que a pessoa está sujeita respondem por tal situação.


A ansiedade pelo prazer exorbitante frustra; os fatores agressivos amedrontam, e a timidez encontra uma forma de levar ao complexo de autopunição.


Afasta da mente esses fantasmas responsáveis por males inumeráveis.


És filho de DEUS, por Ele amado, que te protege e abençoa.


Não te afastes das Suas Leis e se te enganares, ao invés de te entregares a conflitos desnecessários, retorna ao caminho do dever, sem receio algum.


Autora: Joanna de Ângelis (Espírito)

Médium: Divaldo P. Franco

Livro: Vida Feliz

Meus queridos irmãos,

Jesus nos abençoe!

O homem moderno, fascinado pelas conquistas tecnológicas e ávido pelos prazeres anestesiantes, ensoberbece-se e, ignorando a destinação espiritual que o aguarda, deixa-se tresvariar pela alucinação da violência, derrapando na delinquência e na desesperação.

Depois de haver penetrado os arcanos do Universo, decifrando incontáveis enigmas da vida, e descoberto a intimidade da molécula, permite-se negar a realidade espiritual, repetindo a loucura dos pesquisadores e filósofos cepticistas da segunda metade do século passado, sem dar-se conta de que o conhecimento sem Deus conduz a mente aos paroxismos da revolta e da desolação.

Embora enriquecido pela cultura hodierna, após a grande viagem exterior, na busca desesperada do poder transitório e dos valores de pequena monta, deixa-se conduzir por manifestações psicopatológicas, que caracterizam este como sendo o “Século da angústia”.

No báratro das suas aflições, no entanto, volta-se, sob injunções de dor e lágrimas, na direção do túmulo, e começa a interrogar a vida a respeito das realidades legítimas que não tem sabido compreender nem valorizar...

Nesse homem aturdido, porém, encontra-se a oportunidade de construir o mundo novo, a era melhor do espírito, a que se referem as palavras renovadoras de Jesus.

Antídoto para as problemáticas afligentes da atualidade é o Espiritismo, conforme no-lo ofereceu Allan Kardec, em mensagem de lógica e ciência, de fé e razão, abrindo, o pórtico da Era Nova, mediante a proposição do Cristianismo restaurado.

Indispensável, portanto, estudar Kardec para melhor compreender e amar Jesus.

Imperioso conhecer o Espiritismo nas suas fontes puras para, com mais acerto, viver-se o Cristianismo, em espírito e verdade.

Eis por que saudamos, nos labores deste dia, um brado de renovação e uma metodologia libertadora, tendo em vista o momento grave em que se vive na Terra.

Só uma Doutrina que “enfrente a razão face a face” e encontre respaldo na ciência, poderá oferecer uma fé robusta capaz de conduzir a criatura com segurança pelo rumo da paz.

Espíritas, meus irmãos, estudai para conhecer e instruí-vos para viver o amor em toda a sua plenitude.

Não vos inquieteis ante as dificuldades que repontam em toda parte.

Mantende o ânimo seguro e permanecei vinculados ao Senhor, a “rocha nossa”.

Se convidados a violência, sede a paz; quando perseguidos, tornai-vos cordatos e, em qualquer circunstância, sede aqueles que amam, servem e passam edificando o Bem.

Dia virá em que bendireis o momento da luta áspera quando liberados da canga da aflição, puderdes contemplar o que fizestes e dizer: Senhor, aqui estamos os servos imperfeitos, que apenas fizemos o que nos foi recomendado, não merecendo mais do que a alegria do dever cumprido.

Autor: Bezerra de Menezes (Espírito)

Médium: Divaldo Pereira Franco

Obra: COMPROMISSOS ILUMINATIVOS, cap. 67, LEAL

Entre em contato conosco caso sua dúvida não tenha sido contemplada entre os itens apresentados aqui.

©2018 por Pensar Espírita.