JESUS PARA O HOMEM


“E achado em forma como homem, humilhou-se a si mesmo, sendo obediente até à morte, e morte de cruz.”

(Paulo. FILIPENSES, CAPÍTULO 2, VERSÍCULO 8.)


O Mestre desceu para servir,


Do esplendor à escuridão...


Da alvorada eterna à noite plena...


Das estrelas à manjedoura...


Do infinito à limitação...


Da glória à carpintaria...


Da grandeza à abnegação...


Da divindade dos anjos à miséria dos homens...


Da companhia de gênios sublimes à convivência dos pecadores...


De governador do mundo a servo de todos...


De credor magnânimo a escravo...


De benfeitor a perseguido...


De salvador a desamparado...


De emissário do amor a vítima do ódio...


De redentor dos séculos a prisioneiro das sombras...


De celeste pastor a ovelha oprimida...


De poderoso trono à cruz do martírio...


Do verbo santificante ao angustiado silêncio...


De advogado das criaturas a réu sem defesa...


Dos braços dos amigos ao contato de ladrões...


De doador da vida eterna a sentenciado no vale da morte...


Humilhou-se e apagou-se para que o homem se eleve e brilhe para

sempre!


Oh! Senhor, que não fizeste por nós, a fim de aprendermos o caminho da Gloriosa Ressurreição no Reino?


Autor: Emmanuel (Espírito)

Médium: Francisco Cândido Xavier

Livro: Pão Nosso, mensagem 62.

18 visualizações

Brasil, o Mundo a escutar-te,

Pergunta hoje: "O que é?"

Ah! Terra de minha vida,

Responde às Nações de pé!

Das montanhas altaneiras,

Dentro das próprias fronteiras,

Alonga os braços - Sansão!

Sem prepotência ou vanglória,

Grava no livro da História,

Novo rumo à evolução!

Contempla a sombra da guerra,

Dragão do lodo a rugir,

Envenenando a Cultura,

Ameaçando o Porvir!...

Fala - assembleia de bravos -

Aos milhões de homens escravos

Sábios loucos prometheus...

Do píncaro a que te elevas

Dissolve os grilhões das trevas

Na fé que te induz a Deus!

Brada - gigante das gentes -

Proclama com destemor

Que o Cristo aguarda na Terra

Um novo mundo de Amor!

Ante a grandeza que estampas,

Os mortos voltam das campas,

Sublimando-te a visão!

Ao progresso Fernão Dias!...

O Dever mostra Caxias,

Deodoro a renovação!...

Dos sonhos do Tiradentes,

Que se alteiam sempre mais,

Fizeste Apóstolos, Gênios,

Estadistas, Generais...

De todos os teus recantos

Despontam palmas de santos,

Augustos pendões de heróis!...

Astros de brilhos tamanhos

Andrada, Feijó, Paranhos,

Em teus céus brilham por sóis!...

Desde o dia em que nasceste,

Ao fórceps de Cabral

O tempo se iluminou,

Na Bahia maternal!...

Hoje, que o mundo te espera

Para as leis da Nova Era,

Por Brasília envolta em luz,

Que em ti a vida se integre,

De Manaus a Porto Alegre,

No Espírito de Jesus!...

Ao resguardar o Direito,

Mantendo a Justiça e o Bem,

Luta e rasga o próprio peito,

Mas não desprezes ninguém!...

Levanta o grande futuro,

Ergue tranquilo e seguro,

A paz nobre e varonil!...

À humanidade que chora,

Clamando: "Senhor... e agora?!"

O Cristo aponta: Brasil!...

Autor: Castro Alves (Espírito)

Médium: Francisco Cândido Xavier

Psicografada no Programa “Pinga Fogo” da TV Tupi

26 visualizações


Doce Mãe, Sereníssima Senhora,

Dos teus olhos velados de Doçura

Nasce fresca a alvorada, que fulgura

Na infortunada sombra de quem chora!

Quando meu ser vagava em noite escura,

Nas angústias do abismo que apavora,

Estendeste-me os braços, vendo, embora,

Minhas chagas de treva e de loucura ...

Ante o Regaço Fúlgido consente

Que minha fé se exalte, embevecida,

Prosternada, ditosa, reverente.

Recebe no dossel de Graça e Vida

O louvor de teu filho penitente,

No clarão de minh’alma convertida.

Do Livro: Volta Bocage, psicografia de Francisco Cândido Xavier.

* [...] ele se dirige, humilde, a Maria Imaculada, pondo-lhe aos pés sua gratidão, pela graça de socorrê-lo na treva, e louvando-a, por lhe ter convertido a alma, agora iluminada. Desta maneira, o poeta nos apresenta a prece como dever da criatura, que espera dos Espíritos superiores o auxílio nas situações aflitivas em que se encontre; e esse precioso auxílio lhe vem nas horas de cegueira d´alma ou nos momentos de perturbação e desatino do Espírito.


32 visualizações