Meus queridos irmãos,

Jesus nos abençoe!

O homem moderno, fascinado pelas conquistas tecnológicas e ávido pelos prazeres anestesiantes, ensoberbece-se e, ignorando a destinação espiritual que o aguarda, deixa-se tresvariar pela alucinação da violência, derrapando na delinquência e na desesperação.

Depois de haver penetrado os arcanos do Universo, decifrando incontáveis enigmas da vida, e descoberto a intimidade da molécula, permite-se negar a realidade espiritual, repetindo a loucura dos pesquisadores e filósofos cepticistas da segunda metade do século passado, sem dar-se conta de que o conhecimento sem Deus conduz a mente aos paroxismos da revolta e da desolação.

Embora enriquecido pela cultura hodierna, após a grande viagem exterior, na busca desesperada do poder transitório e dos valores de pequena monta, deixa-se conduzir por manifestações psicopatológicas, que caracterizam este como sendo o “Século da angústia”.

No báratro das suas aflições, no entanto, volta-se, sob injunções de dor e lágrimas, na direção do túmulo, e começa a interrogar a vida a respeito das realidades legítimas que não tem sabido compreender nem valorizar...

Nesse homem aturdido, porém, encontra-se a oportunidade de construir o mundo novo, a era melhor do espírito, a que se referem as palavras renovadoras de Jesus.

Antídoto para as problemáticas afligentes da atualidade é o Espiritismo, conforme no-lo ofereceu Allan Kardec, em mensagem de lógica e ciência, de fé e razão, abrindo, o pórtico da Era Nova, mediante a proposição do Cristianismo restaurado.

Indispensável, portanto, estudar Kardec para melhor compreender e amar Jesus.

Imperioso conhecer o Espiritismo nas suas fontes puras para, com mais acerto, viver-se o Cristianismo, em espírito e verdade.

Eis por que saudamos, nos labores deste dia, um brado de renovação e uma metodologia libertadora, tendo em vista o momento grave em que se vive na Terra.

Só uma Doutrina que “enfrente a razão face a face” e encontre respaldo na ciência, poderá oferecer uma fé robusta capaz de conduzir a criatura com segurança pelo rumo da paz.

Espíritas, meus irmãos, estudai para conhecer e instruí-vos para viver o amor em toda a sua plenitude.

Não vos inquieteis ante as dificuldades que repontam em toda parte.

Mantende o ânimo seguro e permanecei vinculados ao Senhor, a “rocha nossa”.

Se convidados a violência, sede a paz; quando perseguidos, tornai-vos cordatos e, em qualquer circunstância, sede aqueles que amam, servem e passam edificando o Bem.

Dia virá em que bendireis o momento da luta áspera quando liberados da canga da aflição, puderdes contemplar o que fizestes e dizer: Senhor, aqui estamos os servos imperfeitos, que apenas fizemos o que nos foi recomendado, não merecendo mais do que a alegria do dever cumprido.

Autor: Bezerra de Menezes (Espírito)

Médium: Divaldo Pereira Franco

Obra: COMPROMISSOS ILUMINATIVOS, cap. 67, LEAL

Perante as rajadas do materialismo a encapelarem o oceano da experiência terrestre, a obra kardequiana assemelha-se, incontestavelmente, a embarcação providencial que singra as águas revoltas com segurança. Por fora, grandes instituições que pareciam venerandos navios estalam nos alicerces, enquanto esperanças humanas de todos os climas, lembrando barcos de todas as procedências, se entrechocam na fúria dos elementos, multiplicando as aflições e os gritos dos náufragos que bracejam nas trevas.


De que serviria, no entanto, a construção imponente se estivesse reduzida à condição de recinto dourado para exclusivo entretenimento de alguns viajantes, em tertúlias preciosas, indiferentes ao apelo dos que esmorecem no caos?


Prevenindo contra semelhante impropriedade, os sábios instrutores que escreveram a introdução de O Livro dos Espíritos, disseram claramente a Allan Kardec: “Mas todos os que tiverem em vista o grande princípio de Jesus se confundirão num só sentimento: o do amor do bem, e se unirão por um laço fraterno que prenderá o mundo inteiro”.


Indubitavelmente, a obra espírita é a embarcação acolhedora, consagrada ao amor do bem. Urge, desse modo, que os seus tripulantes felizes não se percam nos conflitos palavrosos ou nas divagações estéreis.


Trabalhemos, acendendo fachos de raciocínio para os que se debatem nas sombras.


Todos concordamos que Allan Kardec é o apóstolo da renovação humana, cabendo-nos o dever de dar-lhe expressão funcional aos ensinos, com a obrigação de repartir-lhe a mensagem de luz, entre os companheiros de Humanidade.


Assim crendo, traçamos os despretensiosos comentários contido neste volume, em torno das instruções relacionadas no livro O Céu e o Inferno, valendo-nos das oitenta e duas reuniões públicas de estudo da Comunhão Espírita Cristã, em Uberaba, no decurso de 1961, dando continuidade à tarefa de consultar a essência religiosa da Codificação Kardequiana, com vistas à nossa própria responsabilidade, diante do Espiritismo, em sua feição de Cristianismo redivivo.


Entregando, pois, estas páginas aos leitores amigos, não temos a presunção de inovar as diretrizes espíritas e sim o propósito sincero de reafirmar-lhes os conceitos, para facilitar-nos o entendimento, na certeza de que outros companheiros comparecerão no serviço interpretativo da palavra libertadora de Allan Kardec, suprindo-nos as deficiências no trato do assunto, com mais amplos recursos, em louvor da verdade, para a nossa própria edificação.


Autor: Emmanuel (Espírito)

Médium: Francisco Cândido Xavier

Livro: Justiça Divina

Atualizado: Mar 1

Sob os imperativos da lógica e ante a evidência dos fatos, o Espiritismo vem amparando, celeremente, um progressivo número de almas a se entrincheirarem em seus abençoados campos de fartas consolações.


Apresta-se o Paracleto em espargir as luzes do Cristianismo Redivivo por toda a Terra, acolhendo corações angustiados e inseguros, aflitos e descrentes, atemorizados nos sítios de resgates das experiências humanas.


É a ação norteadora do tempo, que em nada se relaciona com as campanhas de proselitismo que o mundo sempre conheceu nos diversificados domínios das religiões.

Com isto, não padece dúvidas, cresce a responsabilidade dos espíritas, a fim de que uma eficiente vulgarização dos ensinos de Jesus alcance, proveitosamente, os trabalhadores da hora undécima.


Há grande júbilo em observar-se as Instituições Espíritas ativas, equilibradas e seguras em suas aspirações, revivendo a Boa Nova nos dias conturbados de nosso orbe e oferecendo subsídios doutrinários ao raciocínio da fé, prodigalizando, assim, a legítima assistência espiritual.


Quantas apreensões, porém, nos conturbam as esperanças, quando verificamos a proliferação, nos quadros estatísticos, de agrupamentos com simples rotulagem espírita congregando almas inexperientes e desavisadas, mas que, fundamentalmente, se encontram distanciados do verdadeiro sentido da Doutrina!...


A superficialidade com que caminham, sem estudo nem bom senso, mas nos arrebatamentos dos sentidos, pelos quadros da fenomenologia mediúnica desfigura a missão essencial que o Espiritismo traz em nossos dias, com inequívocos prejuízos para a posteridade.


A multiplicação dos núcleos espíritas é de subida importância para o movimento de redenção de almas, desde que se não descuide da vigilância e do equilíbrio, acautelando-se, as Instituições mais antigas e as mais recentes, na preservação do conteúdo inalienável do Consolador Prometido como obra da verdade para a luz no mundo.

Reunião espírita não é festa para os olhos ávidos por fenômenos triviais. É encontro de corações sedentos de paz e entendimento da vida, procurando despertar para a eloquente percepção espiritual com Jesus.

***

Aqueles que detêm os encargos diretivos das Instituições Espíritas não podem se descurar do manuseio das obras doutrinárias para o estudo renovador.

As fontes basilares do Espiritismo permanecem inesgotáveis em alertamentos e informações, ensino e condução, conclamando os espíritas, de fato, à leitura e releitura dos textos codificados pelo insigne Professor Rivail, evitando-se distorções prejudiciais para nossos pósteros.

Somente assim tomaremos posição consciente no movimento espírita, não nos permitindo incursionar por desvios lamentáveis ou falir em ciladas das sombras tão próximas de nosso passado.

A excelência da Codificação Kardequiana não nos deixa entrever para os núcleos espíritas outro ambiente senão aquele onde a mensagem de Jesus seja expressa em espírito e verdade, longe de convencionalismos perturbadores, congregando corações na mesma fidelidade amorosa ao Senhor.

Os encontros doutrinários, no Espiritismo, devem rememorar as assembleias singelas e devotas do Cristianismo nascente, evitando-se os estímulos aos sentidos materiais para que a vigília espiritual se fortaleça, proporcionando à mente raciocínios de conforto e segurança que a Doutrina Espírita detém em seus celeiros de consolações.

Zelo doutrinário não traduz estagnações rotineiras no tempo nem significa reação sistemática aos avanços do progresso em suas múltiplas facetas, acrisolando o movimento espírita sob causticantes arremetidas de personalismos e vaidades. Importa, antes de tudo, considerar-se o apuro na divulgação do conteúdo espírita para que a mensagem de conforto e soerguimento alcance, de modo substancial, os que perambulam pelo mundo, aflitos e sobrecarregados.

Às casas espíritas acorrem inumeráveis corações em desespero e padecimento, desejosos de sorver a linfa preciosa da paz, que reflete segurança, e do esclarecimento, que representa bem-estar. Tão logo experimentam os primeiros lenitivos, reabastecendo-se para a caminhada, engajam-se no agrupamento fraterno, mas passam a recapitular experiências pretéritas promovendo, ante a desatenção dos companheiros, enxertias descabidas e perigosas, mutilando ou desfigurando o corpo doutrinário tão inspiradamente codificado pelo bom senso de Kardec.

Zelar pela Doutrina será propugnar pela íntegra divulgação do Paracleto, conscientizando almas em torno de seu abençoado mister, como aquela indefectível mensagem do Céu em favor do mundo.

Preservar a pureza doutrinária é dever de todos quantos, conscientemente, perlustram o acervo de ensinamentos que identificam o cerne da Codificação.

Defender a integridade da Terceira Revelação será impedir as incrustações aparentemente inofensivas, mas, que poderão, de futuro, deteriorar, irreversivelmente, a missão do Consolador Prometido junto aos trilhos humanos.

Precaução na palavra que ensina, desvelo na mensagem que elucida, apuro no livro que divulga, diligência na reunião que conforta, responsabilidade nos testemunhos de cada hora, são facetas da identificação espírita.

Espírita sincero será, em verdade, o discípulo vigilante divulgando, com clareza de intenções e segurança no dever, os ensinos de Jesus pelo bem de todos.

Mas, espírita cauteloso será todo aquele obreiro do Bem dilatando fé e esperança junto aos carentes de luz do caminho, alimentando corações nos tesouros espirituais que o Pai tem reservado para seus filhos na vida e buscando, sobretudo, a transformação moral que lhe norteará o Espírito para os cimos do amor.


Autor: Guillon Ribeiro (Espírito)

Médium: Júlio Cezar Grandi Ribeiro

Fonte: Reformador de Julho/1977, p.215.

Entre em contato conosco caso sua dúvida não tenha sido contemplada entre os itens apresentados aqui.

©2018 por Pensar Espírita.